sexta-feira, 17 de junho de 2011

Natal, 17 de junho de 2011.

Senhor vereador Heráclito Noé,

Com interesse, li hoje uma notícia no jornal e tomei conhecimento de um projeto de sua autoria acerca dos inúmeros estrangeirismos que se propagam pela cidade Natal, e o seu empenho em tornar obrigatória a tradução dessas palavras, com o nosso vernáculo à mostra.

Impossível não lembrar, nesse momento, do nostálgico, melódico e lindo soneto do parnasiano Olavo Bilac, demonstrando todo amor e apego à Última Flor do Lácio inculta e bela. No entanto, é impossível não lembrar também do frustrado projeto quase gêmeo ao seu – nasceram de placentas diferentes –, do deputado Aldo Rebelo, em 2007.

Entendido que o senhor se preocupa com o nosso idioma, saiba que a língua portuguesa passa incólume em todas as instâncias de um suposto desaparecimento: ela é viva e como tal se faz funcionar na maioria das circunstâncias que se fazem necessárias – haja vista que a nossa educação, infelizmente, não faz exportar tantas descobertas, tanta tecnologia e tantas coisas mais que, mesmo o senhor sente necessidade. Legislar sobre a língua seria algo parecido com uma hipotética legislação do próprio pensamento: não se consegue; ambos são vivos e carecem de interação com o mundo. A língua portuguesa – ou quaisquer outras – jamais atingiu um estado de “pureza”, isso seria impossível. Principalmente nesse estado contemporâneo no qual vivemos, cujas tecnologias incluem a própria condição vital (e virtual) para fazermos jus ao fator social.

Logo, numa rápida constatação do seu projeto, pode-se verificar que há arbitrariedade em vários aspectos:

  • Sociolinguísticos: sobre uma língua viva não se legisla (mas há a possibilidade de fazê-lo funcionar se se tomar como aporte o latim).
  • Psicolinguísticos; há na essência de seu projeto um cunho cerceador na escolha lexical do nativo brasileiro, dos empresários e dos próprios falantes.
  • Filológicos; a língua também evolui com o acréscimo de outros vocábulos ao seu próprio; o senhor pode, inclusive, constatar que o dicionário Houaiss já traz, por exemplo, a palavra “mouse” como parte do nosso léxico.

Em palestra brilhante, proferida no ano 2000 pelo acadêmico Domício Proença Filho, o brilho das palavras deste faz encandear o discurso do projeto do senhor:

Estrangeirismos sempre estiveram presentes, com maior ou menor volume, na língua portuguesa, como elementos enriquecedores, emergentes do convívio Cultural dos povos. Palavras e expressões imigrantes decorrem dos rumos do progresso, em sua maioria, situam-se nos espaços da ciência, da tecnologia, da diplomacia, e se fazem indispensáveis.”

Para corroborar o meu discurso, de que outras línguas não exercem mesmo poder sistêmico ao nosso idioma, as palavras de Domício Proença Filho, na mesma conferência, aduzem:

“O maior ou menor volume da presença estrangeira na língua vernácula vincula-se, portanto, à maior ou menor influência que a Cultura de um país possa exercer sobre a Cultura de outro. No caso do português, é importante que se diga, os empréstimos, de qualquer ordem, nunca chegaram a ameaçar-lhe, de fato, a integridade sistêmica. Isso é que me parece importante: A língua como um sistema, ou seja, um conjunto organizado. Se é um conjunto organizado, se faz de princípios organizatórios. Nesse território, palavra estrangeira nenhuma entrou.”

Um fato relevante, e por isso mesmo deve ser levado em consideração, é o uso da língua como instrumento de comunicação, de aferição de conhecimento e, sobretudo, de pesquisa. Estudo a língua portuguesa e minha prática docente é efetivada num componente curricular de Práticas de Leitura e Escrita no curso de Ciências e Tecnologias, na UFRN. Sei do que estou falando.

Para não mais me prolongar, quase louvei o seu argumento, ao afirmar que a nossa cultura e identidade devem ser preservadas, mas impossível não questionar: a cultura vernácula não pertence única e exclusivamente a Natal, logo, não se trata de cultura local, não nos aportamos em nenhum idioleto, estou certo? Outras indagações também me ocorrem: ora, se a palavra-chave é a cultura, onde se encontra o fomento à cultura local? Esse sim poderia ser alvo de um projeto de sua autoria. Os artesões – da palavra, das cênicas, das cores, ad infinitum – agradeceriam pormenorizadamente.

Há uma série exaustiva de exemplos que podem florear este e-mail, em defesa de uma liberdade de batismo dos prédios comerciais e residenciais. No entanto, as minhas palavras já podem alçar o seu voo objetivo: mostrar que a essência do seu projeto tende a ser vista como autoritária, descabida, incoerente e, sobretudo, inócua. Sinceramente, senhor vereador, até o seu nome não é genuinamente brasileiro. Do grego, significa “o protegido por Hércules”. Mas torcemos para que o deus grego fique a favor do povo que fala todas as línguas.

Atenciosamente,
Peterson Nogueira
Mestrando em Literatura Comparada pelo PPgEL, UFRN.

4 comentários:

Peterson Nogueira disse...

Essa carte é direcionada ao vereador Heráclito Noé que elaborou um projeto para traduzir os nomes dos prédios comerciais e residenciais. Pode? Ah, vereador, tá na hora de se preocupar com assuntos mais urgentes. O povo é mais urgente do que esses projetozinhos que não levam a lugar algum!

Daniel Pereira disse...

Realmente, já não sabemos, nós sociedade, o que está em vigor em realidade! Muita futilidade e pouca índole! Um absurdo!

Elegia de Abril disse...

Citando Oswald de Andrade, ou Osvaldo, em momento de descontração, mas de profunda sinseridade, sem fins academicistas: "o problema em questão não é ontológico, mas sim odontológico". É certo que devemos tomar cuidado com o produto final do consumo "antropofágico", mas sem deixar de fazê-lo. Ainda vivemos bons momentos de devoração cultural.

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


COMPARTIENDO ILUSION


CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...




ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE SIÉNTEME DE CRIADAS Y SEÑORAS, FLOR DE PASCUA ENEMIGOS PUBLICOS HÁLITO DESAYUNO CON DIAMANTES TIFÓN PULP FICTION, ESTALLIDO MAMMA MIA, TOQUE DE CANELA, STAR WARS,

José
Ramón...

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Best CD Rates